..:: House of the Widow ::..

Ir em baixo

..:: House of the Widow ::..

Mensagem por The Storyteller em Sab Abr 28, 2012 7:50 pm



Investigação Paranormal (Haunted House):

Enredo:
- Aquela casa estava abandonada há anos e ficava bem no centro de Whistler, numa área muito valorizada o que levantava especulações e curiosidades. O assunto chegou à Academia Cross, a curiosidade dos alunos aumentando ainda mais quando souberam que aquele lugar estava abandonado, seus donos haviam desaparecido. O que poderia ter acontecido?

Recompensa:
- Ajuda de custa de 500 (quinhentos) dólares canadense.
- Rank de Ghost Hunter.
- 10 pontos para serem gastos conforme a tabela.

Duração:
- Máximo dois meses.

Regras para postagem:
- Posts de no mínimo dez linhas contendo estética adequada e ortografia correta. Posts contendo um número menor de linahs será deletado sem prévio aviso.
- Apenas um post antes do post de narração. Utilize o máximo possível de inteligência ao fazer seus posts para fazer as perguntas corretas as testemunhas.
- Prazo máximo para efetuar a postagem de uma semana, caso precise se ausentar por mais tempo deixe um recado no tópico de ausências.

Vagas:
Cinco vagas para qualquer aluno, de qualquer turno.
avatar
The Storyteller

Mensagens : 706
Data de inscrição : 16/03/2012

Ver perfil do usuário http://vampireknighttale.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por The Storyteller em Sab Abr 28, 2012 8:16 pm

Uma casa mal assombranda, uma lenda urbana, aquilo era o suficiente para atrair muitas pessoas, mas não era isso o que acontecia com aquela velha casa bem no centro de Whistler. Abandonada há anos, as ervas daninhas cobriam seu jardim e os galhos das árvoreshá muito superavam a altura das podadas árvores da vizinhança. Estranhamente ninguém havia invadido o terreno ou pilhado a casa, pixado ou quebrado vidros. Isso tudo porque, segundo a lenda, muitos anos atrás, um grupo que tentara invadir o local simplesmente desapareceu. Nennhuma pista sobre os garotos fora encontrada. Exatos nove anos depois um grupo de delinquentes tentou se refugiar após um pequeno assalto a um mercado, foram encontrados no dia seguinte nus, amarrados nas árvores do jardim da casa, sem os olhos, os lábios e com inscrições estranhas pelo corpo. A polícia foi acionada e os corpos levados, mas sumiram do necrotério naquela mesma noite, bem como o enfermeiro que tomava conta deles. O último caso estranho envolvendo a casa ocorreu em 2003, quando um casal interessado em adquirir a propriedade teve a filha desaparecida. Após uma semana de buscar intensas, a criança fora encontrada na parte detrás da casa pela mãe, sua roupa completamente manchada de sangue embora ela não tivesse uma única ferida. O legista não encontrou nenhuma causa possível para a morte da menina.
O que consta no inquérito são apenas fatos curiosos, que ocorrem realmente a cada 9 anos que se passa desde uma data incerta. O último morador da casa foi uma senhora chamada Magali Toffen e o que se sabe dela é que simplesmente desapareceu numa noite de inverno.

Notas da missão:
*Os participantes souberam da lenda de forma aleatória, mas que deve ser descrita no post. Pode ser missão dada pela associação, já que se passaram nove anos desde o último incidente, pode ser conversa no banheiro, o que quiser, mas diga no seu post como soube do lugar.
* Para melhor narrativa, os alunos coincidentemente se encontraram na frente da casa e lá estão agora. Vocês podem discutir uma ação conjunta ou simplesmente entrarem na casa, como preferirem.
* Os posts devem conter no minimo dez linhas e além das especificações acima devem conter a descrição dos itens que estão levando com seu personagem, itens não mencionados não poderão ser utilizados nas missões.
* O prazo para postagem é de uma semana após o post de narração, será apermitido apenas um post anes do post de narrção que começara o novo turno.(05/05 final)

Participantes:
Tendou Kusanagi
Cedric Valmore
Sara Augustine
Mary Vermilion
Donovan Fetcher
Ryutai Akira
Andariel Gremory
June Mathews Glottieb
David Gil
avatar
The Storyteller

Mensagens : 706
Data de inscrição : 16/03/2012

Ver perfil do usuário http://vampireknighttale.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Ikki em Seg Abr 30, 2012 9:29 pm

David Gil
Tinha acordado sedo, me arrumei com a roupa de Day class y desci ate a cafeteria, peguei a minha refeição como sempre aquele dia pareceria tedioso muito estudo y pouca ação, me di volta procurando uma mesa vazia, achei uma no canto me sentei ali com minha refeição estava tranquilo comendo em quanto olhava os alunos alguns dormidos ainda veiam para a cafeteria, segui comendo tranquilo deleitando-me com algumas alunas em quanto meu telefone sono, no mesmo instante votei a minha mão na calça para pegar o um celular tinha uma mensagem da associação pedindo para eu investigar uma casa mau assombrada recebi um link para acessar que teria toda a informação da missão criptografado, me apresei a terminar a minha comida, sai em direção a biblioteca onde teria um computador, entrei na biblioteca, olhando para o funcionário

- um computador por favor y um cabo USB no que o jovem assentiu que poderia usar y me alcanço o cabo, ele olho os computadores y começo a procurar uma que ele pudesse estar a vontade, o ultimo estava num lugar oculto ninguém poderia ver, me sentei-la. O computador estava prendido aquilo facilitaria a minha vida peguei o cabo USB y conectei meu celular com o computador, em quanto fiz isso o celular começo a passar as informações criptografadas para o computador onde comece a ler as informações adicionais teria que ir a essa casa a ver que acontecia também sabia que poderia ter problemas, o melhor seria não ir só a missão aceitava ajuda de membros sem relação com associação
Tinha recebido de informações sobre um anjo caído que teria feito já uma investigação deste gênero, eu imprimi uma copia da informação y desconectei o telefone o que fez que todo o que tinha o computador fosse apagado, me levantei agradeci o funcionário y me dirigi ate os dormitórios da lua ele deveria estar no seu quarto mas para minha surpresa não estava entrei no seu dormitório deixando a copia da informação y uma nota para que pudesse ir a casa. Voltei a meu quarto procurar minhas coisas votei-me meu traje de operações especiais. Peguei a minha blood rose votando na funda do lado direito do peito que munição levaria ele olho as munições que tinha escolhi as balas de sal que eu tinha feito, depois peguei a minha katana a guardei nas costas antes de sair peguei meu sobretudo preto, y sai ao estacionamento onde tinham de deixado uma moto para poder ir ate a casa, comecei minha viagem ao chegar a casa fiquei na do outro lado da rua esperando algum outro aluno

Andariel
O anjo estava no terraço interno onde tinha conhecido a crystal y se lembrava da sua missão de explorador do sobrenatural mas bem ele era um ser sobrenatural, olhava os céus que traziam para si a canção que tinha cantado a crystal lembrando o custo da sua liberdade, o anjo voltou em si um rato depois y se dirigiu ate seu dormitório para descansar um rato quando entro viu uma sacola com umas informações ele abriu a sacola tinha uma grande quantidade de informação sobre uma casa ele leu tudo seria outra das sua missões, ele gostou daquilo tenho que acabar com outra maldição dessas pensou. Em quanto pegava seu, sobretudo marrão, seria fácil aquilo achava ele pegou a sua rapier e a guardou, como tudo pronto ele saiu ate o terraço novamente estendeu suas asas y saiu voando em direção a casa embrulhada ele sobrevoa a casa a uma altura prudente para não ser visto, procurou um lugar para baixar o encontrou descendo rapidamente ele escondeu suas assas se encontrava em uma área de humanos a descrição era o Maximo, ele caminho em direção a casa que não ficava muito longe mesmo, ao chegar ate ela viu a sua presencia aquilo emanava auras estranhas ele tinha esquecido dos seus óculos assim não poderia usar sua habilidade divinha si não todos poderiam ver seus olhos brilhantes, ele bateu na porta do lado y esperou uma mulher anciã abrir

-desculpe senhora poderia me dizer si alguém esta vivendo nesta casa do lado noto ela um pouco abandonada poderia me dizer quem e o dono
avatar
Ikki

Mensagens : 146
Data de inscrição : 18/03/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Convidad em Ter Maio 01, 2012 4:44 pm

Um grupo de meninas circulava aos berros pelo pátio da Academia Cross, chamando a atenção de todos que estavam por ali. Cedric estava sentado lendo os contos de Neil Gaiman, desviando a atenção do livro para o grupo.

Ele semicerrou os olhos azuis e descruzou as pernas, fechando o livro e depositando sobre a coxa. Afinal, qual seria o problema daquelas garotas? – Vocês poderiam falar um pouco mais baixo? – a expressão de Valmore era séria, mas suas feições harmônicas e angelicais desconstruíam com todo o seu desgosto de não poder ler os seus amados livros.

- Ai, ai. Que gracinha. – uma garota vestida o uniforme de Day Class correu na direção dele, acomodando-se no banco ao seu lado. – Você poderia ser o nosso anjinho da guarda, né? – ela ergueu a mão e fingiu apertar a bochecha dele, arrancando risadinhas das demais garotas.

- Eu não sei o que você está falando. Agora se me der licença... – ele ergueu a mão para afastar o toque da desconhecida. Cedric tencionou o corpo para sair dali, mas uma das garotas, a mais pequenina e de cabelos loiros estavam com os olhos vermelhos e pequenas lágrimas brilhavam nos cantos dos olhos. Ele encarou a garota e lembrou-se de Anika, obrigando-se a ficar ali. Talvez algo tivesse acontecido e com o seu dom ele pudesse acalmá-las.

- Não assuste o garoto. – outra garota de cabelos negros e curtinhos aproximou-se de Cedric, puxando a garota que estava sentada no banco pelo pulso, afastando-a do banco. – Não de bola para a Cher, ela não sabe o que diz. – a garota assentiu educadamente e pediu desculpas pelas atitudes infantis de sua colega.

Cedric permaneceu imóvel, praticamente não entendendo nada o que estava acontecendo. Ele abriu a boca para falar, mas calou-se assim que a outra menina, a loirinha que estava segurando o choro, exclamar irritada para ir embora. – Não podemos perder mais tempo, ela via desaparecer?!

- Desaparecer? – o loiro ergueu a sobrancelha e olhou para todas as meninas. A garota de cabelos pretos balançou os ombros e deu um peteleco na testa da menor. – Não de bola para essa garotinha. Ela acha que a amiga dela vai desaparecer por ir até Whistler. Mas é pura bobagem! O pessoal cria essas lendas urbanas para aterrorizar os menores, só porque tem uma mansão abandonada lá e alguns adolescentes desapareceram, mas é coisa de gente que se mete em encrenca. Não tem nada haver.

Valmore achou curioso o que as meninas estavam falando. Ele ergueu-se do banco e segurou o livro com uma das mãos, enquanto a outra afagava a cabeça da menor, canalizando suas energias para acalmá-la. A menina parou de movimentar os braços e os deixou cair ao lado do corpo, relaxando instantaneamente com o toque do rapaz. – Esqueçam esse tipo de coisa. É ridículo.

O loiro afastou-se do grupinho e caminhou até o seu aposento. Na verdade, ele adorava locais abandonados que possuíam lendas e mistérios, e aquela tal casa abandonada poderia ser um ótimo lugar para ele se divertir. Valmore estava inspirado, os contos que estava lendo eram de drama e terror, fazendo-o criar na mente com exatidão a mansão abandonada, as pessoas desaparecendo misteriosamente.

Animado coma idéia, ele deixou escapar um sorriso brilhante e cativador, com se acabasse de receber um elogio da garota amada. Ele abriu o armário e pegou um conjunto de roupas limpas, pois estava convicto que iria até Whistler para verificar com os próprios olhos a tal mansão.
Ele tirou o uniforme e vestiu uma calça cor de caqui, uma camisa branca e um blusão gola V preta por cima. Pronto, ele pegou a mochila de jeans da mesma cor da calça e colocou a carteira, celular e outros pertences.

Ele não sabia ao certo como sairia da Academia, mas não estava preocupado, pois poderia se desvencilhar facilmente de qualquer guarda caso ele fosse barrado. Cedric caminhou pelos complexos de prédios e saiu sem problemas, talvez como ainda era cedo, não haveria assim tantos problemas. Ou talvez os guardas nem se importaram com sua saída, já que não estava trajado com o uniforme da Academia Cross. Enfim...

- Estou com sorte! – ele ergueu as mãos para o alto e sorri, caminhando na direção da parada de ônibus que havia ali. Até porque Cedric não era estúpido o suficiente para ir a pé até a cidade. O ônibus não demorou a chegar, realmente estava com sorte aquele dia. Ele pagou o cobrador e passou a roleta e sentou no banco bem ao fundo, ao lado da janela.

Ele não sabia ao certo para onde estava indo, mas na placa do ônibus estava escrito: Whistler, Center. É, deveria ser aquele mesmo. Em poucos minutos os milhares de pinhos desapareciam pela estrada, dando espaço a pequenos prédios e casas coloniais. As enormes montanhas com picos recheados de gelo coloriam o céu, refletindo o brilho fraco do sol em seus cumes como gotas de carvalho, só que milhares de vezes maiores e reluzentes.

- Wow! – ele exclamou, animado com a chegada até o centro da cidade. Um pequeno grupo de pessoas formava fila para descer, talvez ali fosse o terminal e Cedric as imitou, também descendo ali.

Ele saiu do ônibus e respirou profundamente o ar fresco da cidade, havia tantos pinhos e montanhas em volta que nem mesmo a poluição era percebida por ele. Ceddy caminhou aleatoriamente pelas calças, não sabia onde ficava a mansão, sentindo-se um tolo por simplesmente ter corrido da Academia e ido para lá sem muitas informações.

- Será que estou indo para o lugar certo? – ele caminhava por uma calçada recheada de folhas de bordo, colorindo o concreto de vermelho. Ele parou perto de um grupo de adolescentes que faziam manobras com a bicicleta no meio fio, pedindo informações sobre a famosa mansão.
-Ei, vocês sabem dizer onde fica a famosa mansão das lendas urbanas? – ele coçou a bochecha sentindo-se muito idiota. O garoto que vestia uma toca com desenhos de lhamas apontou com o dedo uma rua curva, onde os bordos acomodavam-se em grande número. – É só seguir as árvores.Mas, de boa, não é muito seguro ir até lá.

- Eu tomarei cuidado. – ele murmurou e agradeceu pela informação. Ceddy continuou a caminhar pelo caminho, passando por mais casas e pequenas padarias e mini-mercados, que gradativamente desapareciam conforme ele seguia ate a mansão.

- Finalmente! – ele exclamou. Os olhos brilhando de contentamento ao ver a mansão de madeira velha, realmente muito assustadora. Algumas janelas estavam lacradas, enquanto outras rangiam e batiam suas folhas de madeira com o vento, arrancando lamurias das fechaduras.

– O que? – ele encarou as demais pessoas que haviam ali. – Então não estou sozinho? – o sorriso dele morreu, enquanto encarava com desgosto as demais pessoas que estavam ali.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Convidad em Ter Maio 01, 2012 5:04 pm

    Sara lavava as mãos quando escutou as duas garotas conversando no banheiro. Depois da assustadora história de Bloody Mary parecia que mais uma lenda se espalhava pela Academia Cross, agora sobre uma casa abandonada no centro de Whistler.

    Atenta a conversa, Sara teve sua curiosidade aguçada e assim que saiu do banheiro foi para um canto sossegado do pátio, tirando seu celular do bolso e começando a pesquisar por notícias da cidade de Whistler nas datas mencionadas pelas garotas e realmente havia muitos fatos estranhos ocorrendo na cidade naquela data.

    Sara salvou algumas das páginas, embora ainda nao soubesse bem o que faria com aquelas informações. Alguns dias se passaram e na data próxima ao aocntecimento Sara já se corroia em curiosidade. Dali uma semana seria o dia em que as coisas estranhas costumavam acontecer e ela sentia-se cada vez mais tentada a ir até o local e ao menos conhecer a casa que era cenário de tão famosa lenda em Whistler.

    Uma semana se passou e Sara tomou uma decisão: iria até o local, mesmo que fosse apenas para ver do lado de fora. Conseguiu uma autorização do pai, pedindo que liberasse sua saída do colégio para comprar alguns materiais que necessitava e com isso pode sair sem ser importunada.

    Pegou um táxi até o centro de Whistler e desembarcou algumas uqadras antes do local, queria conhecer o bairro, ver as pessoas, ver quais assuntos rondavam o local, mas para a surpresa de Sara nada sobre a mansão era comentado.
    Um pouco cansada por estar acordada aquele horário, sara entrou num dos cafés do local, retirando suas luvas e esfregando as mãos. O dia frio pedia uma bebida quentinha e quem sabe ali ela conseguisse ouvir alguma coisa ou até mesmo perguntar algo a alguém.

    Ela escolheu uma mesa próximo à janela e aguardou seu chocolate quente com a testa grudada no vidro sob o letreiro, observando algumas pessoas que passavam, reconehcendo um dos motoqueiros que passou em frente ao café como um dos alunos da Academia (David). Seria uma coincidência ou ele havia ouvido falar da lenda também?

    Seu pedido chegou e Sara afastou-se do vidro, encarando a xícara de chocolate quente e ficando pensativa. Teria sido aquela uma boa idéia? Porque afinal por trás da lenda urbana poderia ter alguma verdade e ela poderia estar encrencada não é?

    "Sou uma vampira, não pode ser algo tão ruim. Se for sobrenatural ou não eu vou saber lidar!" - ela tentava se conevncer, bebendo então um gole da bebida doce, tranquilizando-se um pouco, mas seu cenho ainda estava franzido quando ela terminou.

    Sara desviou seu olhar da xícara vazia onde o restante de chocolate se acomodava no fundo e então viu outro aluno da Academia, agora passando do outro lado da rua.

    "Não, isso não pode se coincidência!" - ela se levantou, pegando a carteira e colocando uma nota de 5 dólares sobre a mesa, o suficiente para pagar o chocolate e a gorjeta, saindo então do café, tentando em vão alcançar Cedric, um aluno que fazia parte do turno diurno da Cross.

    Ela continuou a descer a rua, vendo Cedric virar uma esquina. sara apressou o passo e parou diante da placa que indicava qual era a rua, lendo o mesmo endereço que tinha a casa. Será que ele também estava indo para a mansão abandonada?

    Dobrando a esquina Sara viu a moto que há pouco passara com David e agora via do outro lado da rua David, Cedric e Andariel. Ela não conhecia nenhum dos três, mesmo Andariel que era do turno noturno, a não ser por vista e nem sabia seus nomes, mas aproximou-se ajeitando o casaco bege que usava sobre as calças leggings de lã e bota preta de cano alto.

    - Olá - ela cumprimentou - Vocês também são da Cross, não é mesmo? - ela ajeitou uma mecha de cabelo atrás da orelha, seu sorriso simpático estampado no rosto - Também vieram por causa da casa? - ela indicou com um gesto de cabeça a mansão diante deles, do outro lado da rua.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Ryutai Akira em Sab Maio 05, 2012 12:01 pm

Ryutai estava lendo um de seus livros quando uma mensagem de celular é enviada a ele, olhando a mensagem para ver de quem era, constatou que era da assossiação, olhando em volta para ver se ninguem mais estava por perto lê a mesnagem, que o informava sobre a casa, sobre seus ultimos incidentes, e avisando que ja era hora de acontecer de novo, 9 anos ja tinha se passado desde o ultimo caso, e era para ele verificar, Ryutai deleta a mensagem após ler, ele sai da biblioteca, pensando no que deveria levar, e no que poderia ser de real utilidade para ele la, chegando em seu quarto ele guarda o livro que pegou na instante, e percebe que seu colega de quarto estava ali, ouvindo musica e matando o tempo, no que Ryutai pensa.

Bom, como ele ja me viu, e vai me ver sair levando a bolsa, ele provavelmente vai querer ir junto, melhor convida-lo e avisa-lo do que ter ele me seguindo...

Tendou, esta muito ocupado, ficou sabendo da casa mal-assombrada que tem la em Whistler?
Eu vou ir la ver a casa, e ver o que é que tem la, dizem que os casos aconteceram todos com intervalos de 9 anos, e ja faz 9 anos desde o ultimo incidente, Bom, eu ja vou indo, eu tenho uma autorização para sair da escola e comprar algumas coisas la no centro de Whistler, se quiser ir me "Ajudar".


Ryutai pega sua bolsa, e coloca dentro seu bloquinho de notas, e sua caneta, pilhas reserva e uma lanterna, além de dinheiro seu celular e a camera fotografica que tinha comprado, ao sair da escola, mostra sua autorização ao guarda e pegando um taxi, para próximo há casa, a mais ou menos umas 3 quadras, comprou alguns salgadinhos e outras besteiras para matar a fome, colocou em outro compartimento da bolsa, dentro de uma sacola e foi até o lugar, e la chegando se depara com os demais alunos a frente da casa, reconhecendo alguns, deduz que são todos da academia cross e que como ele estavam ali ou por curiosidade ou em missão olha e nota o aluno da night class que estava ali, e como não conhecia nenhum deles, e a jovem Sara havia lhe comprimentado ele faz um gesto timido com o rosto, não conseguindo encara-la, confirma com a cabeça as outras perguntas, e tirando a máquina da bolsa, tira uma foto da frente da casa, observou-a depois, e tentou sentir se o lugar emanava alguma aura.









Falas--------------


Pensamento -------------

Narratória-------------
avatar
Ryutai Akira

Mensagens : 29
Data de inscrição : 02/04/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Makie em Sab Maio 05, 2012 7:13 pm

- queee?- era o que june falava, em um sussurro baixo para si mesma enquanto escutava de uma das meninas em sua sala a historia sobre uma casa no centro de whistler. Aquilo não era bom, uma casa mau assombrada, principalmente com aquelas duas imbecis combinando de juntar alguns meninos e entrarem na casa para se agarrarem, a raiva lhe subia a cabeça, com tantos lugares na academia para fazer isso, preferiam correr o risco de fugir da escola e correr em direção a uma casa mau assombrada pela noite para ficar se esfregando

“por que não vão simplesmente num motel suas... suas... grrrrr” june ainda tinha raiva da forma com que as pessoas achavam que o sobrenatural era apenas um tema barato no qual diretores e roteiristas de hollywood ganhavam a vida, se eles ao menos soubessem que alguns desses eram verdade, talvez tremessem de medo e nunca mais saíssem de seus quartos, mas a explicação devia ficar para outra hora.

June realmente não era de se importar com os outros, não que fosse fria, mas por conta que ninguém acreditava em suas palavras, principalmente quando tentavam salva-las de algo, a menina era sempre taxada de aberração, e quando encontrava alguém mais intimo que pudesse conversar, esse alguém queria que ela fosse tipo uma dessas astrólogas que veem o signo, ela era diferente, se sentia diferente, não era assim que se via a “sorte” de alguém, por que ela não via a sorte, e nem tudo que via e entendia podia ser dito.

Depois de algumas pesquisas na internet sobre o local, june decidiu que era hora de descobrir o que era aquilo, equipada com seu celular, com a bateria cheia e com créditos o suficiente para acessar a internet, juntamente com Rad a tira colo (ele nunca a abandonaria e ela nunca o deixaria para traz). Imaginando a escuridão local, a menina caminhou sorrateiramente até a saída, e então em direção ao lado de fora da academia.

Antes de ir até a casa, june parou numa pequena loja de conveniência, comprando um pequena lanterna, pilhas uma garrafa d’água e um tablete de chocolate, caminhando em direção a casa, encontrando la, alguns outros alunos da academia, alguns um pouco desconhecidos. – não sabia que isso era excursão escolar- rindo de maneira um pouco debochada daquilo.



avatar
Makie

Mensagens : 162
Data de inscrição : 16/03/2012
Idade : 29
Localização : Em algum lugar,Em lugar Algum

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Zetbrake em Dom Maio 06, 2012 12:05 am

- Hmm... "mal-assombrada"? O que seria dessa vez...?

Mal acabara de voltar de sua caminhada pelo Jardim da Academia e, no caminho, descobrira sobre esse novo rumor.

Não demorou basicamente nada até essa história atiçar a curiosidade de Mary. Ainda mais após perguntar o endereço, e lhe informarem sobre o local se ratar de uma mansão abandonada e "amaldiçoada"...

Dessa vez, era fora da Academia... Mary teria problemas para ir até lá e investigar por si só, mas talvez não fosse nada tão grave; Remilia havia a ensinado já a se cuidar um pouco nas cidades e se virar com veículos. Talvez pegar um táxi não fosse difícil dessa vez. Do mesmo modo que pegara um para ir à Academia, poderia pegar um para sair... ou era o que pensava.

Precisaria apenas de tempo para preparo... Seria sua primeira vez saindo da Academia sozinha, pela própria vontade. Teria que ir decidida e preparada, pois seria problemático se perder no meio do caminho ou faltar algo essencial.

Ao entrar no quarto, deixou suas coisas do lado da cama, e pôs-se a começar a arrumar o que achava que devia levar.

Como acreditava ser apenas ela a ir lá investugar por si só, estava tanto empolgada quanto preocupada; nunca havia sido assim independente desde que saiu de sua terra-natal. Remilia sempre estava lá para cuidar dela e guiá-la... mas agora, Mary teria de se virar.

O que a curiosidade faz a uma pessoa...
Não pensava em chamar ninguém porque preferia evitar confusões adicionais.

Foi dormir cedo dessa vez... iria tentar ir logo de manhã, para não perder tempo. Talvez sua ausência fosse gerar problemas... mas nem estava muito levando isso em conta... isso se em algum momento levou.

Parte das coisas estavam já organizadas logo ao lado também.

Acordando, começou suas preparações e arrumações para daí sim ir partir. Saindo do banho, se vestiu uma roupa mais confortável e quentinha, já que fazia frio; era acostumada com frio, mas suas roupas usuais eram expostas demais, e não aqueciam nada.

Jogou suas preparações em cima da cama, e revisou o que iria levar.

-
Aham, certo... lanterna... velas... fósforos... caderno... estojo com lápis, borracha, apontador... tudo isso na mochilinha, e... err, dinheiro... e... e...

Parecia estar esquecendo algo.

Ficou desconsertada com isso, até olhar para trás, e deparar-se com seu capuz logo ao lado, no cabide.

-
Mas é claro!

Vestiu-o por cima da roupa; uma calça verde, sapatos pretos, uma camisa azul com detalhes floridos amarelos, que era escondida pelo casaco branco com detalhes rosas que ia até um pouco antes das coxas, cachecol rosa e, por cima, claro, o capuz vermelho. Suas bochechinhas e mãozinhas não estava protegidas do frio, mas Mary já não parecia se incomodar.

Após fitar e colocar o capuz, não se deu muita importância a mais nada, e deu-se como pronta para a viagem, deixando assim o quarto com a mochila nas costas e determinação no peito.

Pena apenas ter esquecido de levar as pilhas para a lanterna... se as que estavam dentro acabarem, não haverá reposição...

Deixando os dormitórios naquele gélido dia, foi para o lado de fora e pegou um táxi... assim que soube como pegar um.

O veículo parou nas proximidades do local, mas não a deixou no local específico: Mary queria andar e conhecer a cidade também. O céu já estava começando a ficar quase totalmente nublado, o que a encantava um pouco por ser tão branco e reluzente... queria aproveitar aquele momento fora do carro a aproveitar a caminhada a pé até a "mansão mal-assombrada".

Parando no ponto que ela pediu, ela pegou suas coisas, pagou o taxista -- esquecendo de pegar o troco -- e pôs a andar e admirar o cenário à sua volta ao mesmo tempo... geralmente, uma péssima combinação.

Deu uma volta, parou numa loja de doces e comprou biscoitinhos... cerca de uma dúzia deles.

Nesse momento, ainda não reparara que já estava quase sem dinheiro... ainda teria que aprender a administrar bem suas economias.

Após isso, encostada em um poste, tirou a mochilinha e pegou o caderno, na parte onde estava o endereço; como não sabia onde era, pediu por informações com um cidadão que passava... repetiu esse ato umas duas ou três vezes, pois ainda não sabia direito se localizar naquela cidade.

Mas finalmente, foi chegando ao local, começava a avistar a casa... mas ainda não sabia se parava para ver a casa, ou se continuava andando olhando para o caderno, como uma pessoa perdida tentando ler o mapa, para confirmar a localização.

Fuçando com o caderninho em mãos, se aproximava mais e mais. Era realmente o local. E esteva já de frente para ele. Mary parava então, deixando de olhar o caderninho para focar seus olhos na magnitude do local; realmente, estava abandonado, mas ainda possuía muito charme aos olhos da pequenina.

Daí então, finalmente reparara que não era a única ali presente; sua distração já ia cessando, e agora notava que outros colegar seus lá também marcavam sua presença e curiosidades naquele local.

-
Hã? Eles... também vieram? Achei que só seria eu.

Seu olhar demonstrava surpresa, mas sua expressão apenas parecia indiferente, embora pasma por saber que, de fato, não estava sozinha ali com o mistério.

Não parou para falar com ninguém, talvez nem tenha direito prestado atenção em que lhe fazia companhia lá, apenas voltou a mirar seus olhos para cada detalhe da casa pelo lado de fora... queria memorizar aquilo, registrar aquele momento de grandiosidade e entusiasmo; parecia uma criancinha olhando para algo colorido na parede.

-
Uau... então, essa é a casa...?

Sua boca abria em resposta com um sorriso bem exposto e seus olhos brilhavam; aquela casa em contraste com o branco do céu transformavam aquea visão dela em uma obra e arte.
avatar
Zetbrake

Mensagens : 203
Data de inscrição : 18/03/2012
Idade : 25
Localização : Em seus sonhos... transformando-os em pesadelos...

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Haziel em Dom Maio 06, 2012 2:42 am

meeting at the house...


Tagging: Todos na missão
Notes: Post 1 da missão. Desculpa não postar antes, problemas tensos com facul. ;p

Um dia antes, após o fim da aula, alguns alunos da Day Class se uniram para conversar sobre a casa de Magali Toffen. Um dos rapazes possuía muitas informações impressas e estava debatendo com outros colegas sobre uma possível caça ao tesouro. Um deles acredita que há algo muito valioso naquela mansão, algo que a Sra. Toffen não queria que ninguém descobrisse. Segundo uma impressão na mão do rapaz, a anfitriã estaria morando em uma outra cidade do interior, o que faria seu sumiço uma farsa. Outro aluno alegou ser apenas especulação e reclamou da qualidade da foto. Não satisfeito com a negação de seus amigos, o aluno pesquisador mostrou documentos que afirmam que as vítimas encontradas na casa não estiveram de fato perto do local. Ele aponta que as testemunhas se basearam na lenda da casa mau assombrada, graça à sua arquitetura rústica.

Após mostrar os pontos de sua teoria, alguns alunos concordaram em se aventurar no local. Outros, como Donovan, acharam uma completa imprudência. Afinal estariam invadindo propriedade particular e, seguindo a cronologia, algo de terrível poderia acontecer. O trabalho de descobrir a verdade deveria ficar com a polícia.

Não adiantou argumentar. Os alunos estavam animados para encontrar o tal tesouro na manhã seguinte. Se encontrariam no Café próximo à mansão. Donovan então achou que o máximo que poderia fazer era ir com eles e tentar desencorajá-los assim que chegassem na casa. Pegou a cópia dos documentos e pediu pra levar pra casa para ver melhor. Seu colega aceitou.

O resto do seu dia foi tranquilo. Ele releu os artigos impressos e achou muito estranho os fatos que aconteceram naquela casa. Definitivamente não é um local pra ficar brincando. Por fim, arrumou as coisas para no dia seguinte ir cedo com seus colegas. Seria melhor se chegasse lá antes deles. Pra isso, arrumou seu despertador no celular para acordar mais cedo que o normal.

O rapaz teve sonhos estranhos naquela noite. Sinal de que algo realmente estranho estava para acontecer. Por preocupação abou perdendo o sono e acordando um pouco mais cedo do que esperava. Tomou um bom banho e se preparou para sair, não pegou nada além de seus documentos, celular e algum dinheiro para comer por lá. Não levaria utensílios para investigar a casa já que considera um ato irresponsável.

Donovan saiu ainda cedo da Academia. Não encontrou nenhum segurança quando passou pela guarita, ou pelo menos não avistou e ninguém o parou. Foi até o ponto de ônibus e esperou algum tempo até embarcar. Desceu no ponto indicado pelos seus colegas e apontado pelo cobrador que foi gentil em orientá-lo e ainda lhe deu dicas do que pedir no Café.

Atravessando a rua após descer do ônibus, o rapaz adentra o recinto agradável e cheiroso do Café. Ele se seta e pede um cappuccino e algum salgado de queijo. Logo ele é atendido, consome seu pedido e o paga. Ele sequer reconhece Sara, que é da mesma escola. Ou outros alunos que passam por ali. Ele aguarda seus amigos loucos pela recompensa da Sra. Toffon, mas eles acaam demorando e não aparecem. Ele liga para o cabeça do plano e descobrem que seus amigos foram barrados na guarita da Cross e acaba sendo incumbido com a missão de ir sozinho e resgatar o tesouro pelo time. Donovan rejeitou o pedido e disse que apenas tiraria uma foto para eles. Após alguma reclamação, o rapaz se despede e desliga o celular e suspira.

- Bem, vamos lá... - sussurra pra si mesmo.

O rapaz se levanta e sai do estabelecimento. Lembrando-se do mapa impresso, ele segue pela rua forrada com bordo. ele aproveita que alguns cidadãos e crianças estão pela rua e aproveita para questionar. Aparentemente nenhum deles gosta de falar sobre a casa, como se ela realmente fosse assombrada. O mais estranho é que ela parecem querem apenas ignorar o fato de que tem algo muito errado com aquela casa. Como se ninguém fosse capaz de fazer nada em relação a isso e que o melhor seria deixar a coisa como ela está. Certamente é mais fácil fingir que está tudo bem e continuar a vida. Com o sonho que Donovan teve, é certo que há uma verdade realmente sombria sobre aquela casa. Mas o que seria?

- Certamente a polícia deve ter cercado a casa para evitar qualquer tipo de acidente ou crime misterioso aconteça novamente. - comenta consigo mesmo.

Perdido em seus devaneios, Donovan se assusta ao ver a casa, quase a sua frente, mas assustadora do que nas fotos, mais confortável que no seu sonho. Rústica mas aparentemente inofensiva, afinal é um imóvel. Há outras pessoas ali. Ele não sabe dizer se são curiosos, vizinhos, ou aventureiros. Às vezes eles também devem ter visto sobre o possível tesouro da antiga moradora da casa. Estavam todos ali na frente da casa, vislumbrando a beleza rústica ou ansiosos para dar uma olhada mais de perto. E não há nenhuma viatura ou proteção contra curiosos.

À meia distância, o jovem aproveita para tirar uma boa foto para mandar para seus colegas que foram barrados. E então se aproxima das outras pessoas que ali se encontram.

- Bom, dia... - seus lábios ameaçam fazer algum comentário, mas acabam se calando. Nem todo mundo ali parece tão receptivo. Mas certamente todos estavam ali pra matar alguma curiosidade.

Tomara que ninguém decida entrar...

TEMPLATE BY SOPHIE @ TSE!
avatar
Haziel

Mensagens : 58
Data de inscrição : 21/04/2012
Idade : 33
Localização : Cuiabá

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por The Storyteller em Seg Maio 07, 2012 2:01 pm

A casa estava ali diante do grupo de jovens alunos da Academia Cross, alunos de ambos os turnos. Cada qual tinha seu objetivo ali, o motivo que os fez sair do colégio. Alguns receberam notificações e chamados da associação de caçadores de Whistler, outros estavam ali movidos pela lenda urbana que rondava o local. Crimes aconteciam ali a cada nove anos e nunca havia sido encontrada uma solução, mesmo que as mortes seguissem alguns padrões nenhum serial killer viveria por tanto tempo ou teria força para executar sozinho alguns dos crimes.
David Gil havia acordado cedo naquele dia, que lhe parecia como qualquer outro, mas assim que recebeu a mensagem em seu telefone se preparou, lendo algumas informações para a casa e apanhando todo o necessário para estar na missão, deixando colégio montado em sua moto.
Andariel divagava no terraço, pensando em Cristal, lembrando-se da canção que a garota lhe cantara, mas logo lembrou-se de sua missão como explorador sobrenatural e foi até seu quarto para se preparar. Nove anos haviam se passado então logo um novo evento aconteceria naquele lugar tão macabro.
Julgando ter todo o necessário, o anjo caído deixou a Academia, alçando vôo e ficando acima das nuvens para que não pudesse ser visto pelos humanos. A temperatura aquela altura não era agradável, era ainda mais fria do que no solo, mas Andariel suportou o frio sem maiores problemas, voando em direção à cidade.
Em pouco tempo Andariel chegou ao local, sobrevoando a casa, incapaz de sentir qualquer tipo de energia que vinha dela. (Andariel rolou 1 dados de 6 lados com dificuldade 6 para sentir a energia da casa que resultou 4 - Total: 0 Sucessos).
Depois dessa breve inspeção Andariel aterrisa e resolve ir até a casa ao lado para uma pequena entrevista por informações.
Um mulher bastante idosa atende a porta, surpresa por receber uma vista de um desconhecido ao meio do dia, mas como é bastante hospitaleira ela resolve atender ao jovem diante dela.
- O dono? - ela pergunta e então sorri. Provavelmente aquele jovem estava interessado em comprar o imóvel - Eu não sei quem é o dono, na verdade ninguém sabe. Tudo o que se diz sobre essa casa são apenas histórias e nenhuma delas são boas - ela abaixou o olhar e negou com a cabeça - Sei que não deve acreditar nesse tipo de coisa, mas dizem que é um lugar mal assombrado. Se tiver interesse eu posso lhe contar algumas histórias. Gostaria de entrar? - ela perguntou, dando espaço para Andariel.
Cedric lia calmamente um conto quando algumas meninas da Day Class aproximaram-se, fazendo algazarra, impedindo o jovem humano de se concentrar em sua leitura. Elas não podiam fazer menos barulho?
Cedric resolveu pedir por silêncio, talvez o melhor fosse sair dali, mas uma das garotas prendeu a atenção dele por lembrar-lhe de Anika e foi desse modo que ele conheceu a história do casarão: O possível sumiço de uma garota que estava indo para Whistler visitar uma mansão abandonada.
Inspirado pelos contos de terror que andava lendo, Valmore sentiu-se curioso e entusiasmado com a possibilidade de um lugar como aquele na cidade e foi para seu quarto, trocar o uniforme por uma roupa mais comum e apanhar seus pertences.
A sorte parecia estar a seu lado e o jovem conseguiu sair facilmente da Academia e em pouco tempo ele já havia embarcado no ônibus.
Chegando ao ponto final, Cedric desembarcou do veículo e foi até um grupo de jovens que faziam manobras com suas bicicletas, perguntando então sobre o casarão.
Depois de lhe indicar a direção correta, o garoto ainda soltou um alerta, mas Cedric não pareceu se importar muito com aquilo, ele queria realmente conhecer o lugar.
Caminhou para a direção indicada, encontrando outras pessoas ali, seu sorriso desaparecendo e dando lugar a uma expressão nada contente.
Sara ouvira sobre a história da casa enquanto estava no vestiário feminino e teve sua curiosidade aguçada, passando então a pesquisar sobre o assunto em seu smartphone assim que encontrou um local sossegado. Depois de um longa semana de hesitação ela decidiu por finalmente ir até o local.
Para sair da Academia sem ser perturbada, pediu aos pais uma autorização para comprar material, pegando então um táxi até o centro da cidade de Whistler.
Já na cidade, enquanto saboreava um chocolate quente, Sara jurou ter visto um dos alunos da Academia passar de moto.
Um momento de hesitação tomou conta de Sara e ela se perguntava agora se estava fazendo o certo em ir atrás daquele lugar. E se acabasse encrencada.
Ainda pensando nas possibilidades do que aconteceria, Sara viu outro aluno da Academia passando. Seria coincidência ou ele também havia ouvido falar da história?
Sara deixou o café e apressou-se em alcançar o human, mas assim que dobrou a esquina ela viu que mais alunos da Academia Cross estavam parados ali, diante do casarão abandonado.
Curiosa e simpática, Sara se aproximou e os cumprimentou, perguntando porque estavam ali.
Ryutai lia tranquilamente quando recebeu um sms no celular, a associação entrando em contato com ele e falando sobre a casa, dando também um breve resumo dos fatos que ocorriam naquele local bem como as datas. Por preocaução, assim que terminou de ler, Ryutai deletou a mensagem.
Ao chegar ao quarto ele se depara com Tendou e decide passar algumas informações para ele, com a intenção de obter alguma ajuda enquanto isso ele prepara as coisas que devera levar para o local.
Com uma autorização préviamente redigida ele consegue sair da escola sem grandes esforços e tomar um táxi, desembarcando próximo à casa, numa distância média de duas ou três quadras. Ele pára numa loja e compra alguns salgadinhos e doces, afinal nãos e sabe quanto tempo ficará lá.
Ao chegar diante da casa ele repara que há mais pessoas ali, todos alunos da Academia Cross. Assim que chega e é cumprimentado por Sara, Ryutai responde de modo tímido enquanto se concentra em sentir a energia do local, mas nada ali lhe parece suspeito. (Ryutai rolou 1 dados de 4 lados com dificuldade 6 para sentir a energia da casa que resultou 2 - Total: 0 Sucessos)
June estava irritada com a futilidade daquelas garotas. Como elas poderiam ir para um local onde aconteciam fatos tão obscuros apenas para ficarem se amassando com seus namorados?
Ela odiava aquele tipo de garota, principalmente porque elas achavam que sobrenatural era algo como elas viam nesses filmes de baixa qualidade de Hollywood e não levavam realmente a sério.
June fez uma breve pesquisa na internet sobre o local, a maioria eram notícias sobre as mortes e as conclusões policiais, nada de muito novo, então se preparou para um "visita".
Saiu da Academia sem dificuldades e logo estava no centro de Whistler, numa loja de conveniências comprando o que julgava necessário levar ao local.
Ao chegar ao local se deparou com os demais alunos, ao que parecia todos ali foram atraidos pela lenda e ela não pode deixar de fazer piada.
Mary era mais uma que também ouviu a história pelos corredores da Academia e agora tinha sua curiosidade atiçada e em meio as suas muitas dúvidas sobre o mundo lá fora ela decidiu investigar o local.
Em seu quarto ela se preparou com tudo o que julgava necessário, apenas esqueecndo baterias para a lanterna, o que poderia ser um problema posteriormente.
Um longa noite de espera e no dia seguinte Mary deiou a Academia, com algumas dificuldades em conseguir um táxi, mas logo embarcando em um.
Ela desceu em uma área um pouco distante da casa, mas de fato queria conhecer a cidade e, além disso, o céu nublado a encantava.
Ela caminhou pelas ruas sems e importar com o ar gelado em suas bochechas e em suas mãos, parando para comprar alguns doces, esse último evento consumindo praticamente o resto de seu dinheiro.
Decidiu então checar onde era o endereço e pedir informações de como poderia chegar lá e quando finalmente alcançoureparou que havia mais pessoas ali.
Mary as ignorou num primeiro momento, sua atenção voltada para casa, seus olhos correndo pelas paredes e vidraças e foi nesse instante que ela viu: As cortinas amareladas da casa se afastaram e algo que parecia uma figura de mulher apareceu.



Uma discussão com os amigos, fora assim que Donovan tomara conhecimento da lenda, muito embora ele realmente desacreditasse nisso. Para provar sua teoria ele demonstrou aos amigos vários fatos, mas estes não se sentiram convencidos, portanto passaram a combinar uma visita ao local.
Donovan acreditava que aquilo era imprudentes, pois implicava em muitas coisas, inclusive em crimes de invasão de propriedade, mas isso não abalou nnehum pouco o espírito aventureiro de seus amigos.
Combinados de visitarem a mansão no dia seguinte, Donovan passou então a procurar fatos sobre o casarão, se deparando com estranhas coinciências.
Donovan decidiu então que deveria ir mais cedo que os demais, pois aquelas histórias estavam muito estranhas. Colocou seu celular para despertar e então preparou-se para dormir, mas seu sono não foi nada tranquilo.
Pesadelos, fatos que indicavam que aquele lugar realmente tinha algo ruim dentro dele. Com essa insônia, acabou despertando bem mais cedo do que planejava, tomando um banho e se arrumando com o necessário para sua própria "exploração", sim, entre as pas, porque ele sequer pretendia entrar na casa.
Devido ao horário e a troca de turnos, Donovan não foi impedido por nenhum segurança e logo estava embarcado num ônibus rumo a Whistler. Coincidência ou não ele toma um café no mesmo local que Sara, mas ambos não se reconhecem.
Aguardando no café por um bom tempo, Donovan decide ligar para seus amigos, preocupado com a demora e acaba descobrindo que eles não tiveram sucesso em deixar o prédio.
Com esse pequeno problema, Donovan decidi ir sozinho ao local,em nome do time, saindo do café e indo para o local onde a casa estava. No caminho aproveita para perguntas aos transeuntes sobre a casa, mas as pessoas parecem evitar falar daquilo. Exceto uma delas.
Um homem que fedia a cachaça e que pouca credibilidade dava ouve Donovan fazer perguntas ao demais e então se aproxima de modo cambaleante do jovem.
- A casa dos Toffen, não é? O que quer na casa da bruxa? - ele eprgunta e depois ri, parecia estar beirandoa demência - Eu não iria lá se fosse você... não, não mesmo! Sabe meu jovem... ela quer vingança... ela vai matar todos aqui bem rapidinho. Só está esperando o momento certo - ele se aproxima e passa um braço pelos ombros de Donovan - Sabe por que? Por que ela... quer ele de volta... mas como se traz os mortos de volta? Ninguém sabe! - outra risada demente e ele se afasta, indo cambaleante pela rua até que cai na calçada, desmaiado pelo próprio sono devido a bebida.
Pensando sobre os fatos, sobre as repsostas que teve e considerando que a polícia certamente cercou o local, Donovan mal repara que está diante da casa, percebendo então o grupo que já estava ali. Ele pára e tira uma boa foto da casa e quando vai visualizá-la no visor de seu aparelho digital tem uma surpresa nada agradável:





Se não lhe falhava a memória ele poderia jurar que aquela menina na foto era exatamente a mesma que havia sido encontrada morta há nove anos atrás.

Notas da missão:
* Continuem a postar do ponto em que pararam.
* Apenas Mary viu a mulher
* Posts com no mínimo dez linhas, apenas um post por turno antes do post de narração.
* Uma semana para postarem (14/05 final)
avatar
The Storyteller

Mensagens : 706
Data de inscrição : 16/03/2012

Ver perfil do usuário http://vampireknighttale.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Makie em Dom Maio 13, 2012 10:51 am

o que june poderia fazer ali? Absolutamente nada, com tantas pessoas em volta, e aquilo apenas a deixava ainda mais aflita, tantas pessoas atraídas por um mistério e faziam pouco caso dele. Tantas pessoas ali pedindo para serem mortas de maneira dolorosa, e ela não poderia nem mesmo pular o muro da casa, ou os demais a imitariam.

Em meio aos pensamentos, A menina começou a caminhar por entre os alunos, tentaria se misturar e ouvir alguma informação, mas seria tudo inútil, nada além do que havia encontrado, June precisaria entrar na casa, mas não sabia como, e nem mesmo Rad queria que ela o fizesse, deixando a menina ainda mais irritada com a situação.

Seu celular vibrava na pequena bolsa onde carregava seu tarô junto com a lanterna e agora a garrafa d’água, e então havia recebido uma mensagem, não era importante, apenas sua mãe querendo noticias, ela digitava cheia de tedio frases feitas como “esta tudo bem” “o colégio é incrível” e todas essas baboseiras.

Seus olhos percorriam o caminho distraidamente até que um celular que tirava foto a chamou atenção, ela não entendia, mas então se aproximou um pouco sem querer do garoto para olhar, e então acabou por tocar no braço de Donovam com seu ombro, para olhar melhor a foto.

- ah desculpa^^’ eu.. acabei me distraindo sem querer- june não parava de olhar, sentia ter visto algo de estranho na foto, mas não compreendia o que era, e na cara de pau apenas continuou observando, até que ergueu o olhar para a casa em busca de alguma pista, mas afinal o que era que lhe chamava a atenção?

- hey, eu não te conheço de algum lugar?- quando a menina parou de olhar para a casa e se virou para o garoto, teve uma estranha sensação de que ele não era um desconhecido, mas de onde havia o visto? Não havia prestado atenção o suficiente para saber. – você veio aqui por conta da lenda urbana como a maioria aqui?- June deu uma risadinha com aquilo, imaginando um marmanjo daquele correndo de medo descobrindo as coisas que ela sabia. Mas ele tinha algo de diferente, que june não sabia o que era.



avatar
Makie

Mensagens : 162
Data de inscrição : 16/03/2012
Idade : 29
Localização : Em algum lugar,Em lugar Algum

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Zetbrake em Seg Maio 14, 2012 11:22 pm

- Hã...?!

Deparando-se com a estranha visão na janela, Mary encara a silhueta que lhe aparece com o abrir das cortinas.

Em meio àquela multidão inteira, não tira os olhos da tal "mulher". Mas não parecia compreender se aquilo era uma situação normal ou não... estava apenas observando, como se não fosse algo esperado.

Continua quieta, com olhos fitados, sem fazer nenhum alarde ou demonstrar incômodo e inquietação ao presenciar tal cena bizarra. Era para aquilo acontecer?

-
[O que ela... está fazendo ali? Será que estamos fazendo muita algazarra...?]

Mary virou seu rosto para trás, observando todos atrás dela, vendo se estavam fazendo muita confusão e ficando pasma por ninguém tê-la vista ainda também, e daí voltou seu olhar a ela, mantendo-o.

Daí, direcionou seu olhar à porta principal; olhou à janela de novo; voltou seu olhar aos que estavam atrás dela; retornou mais uma vez o olhar à janela da silhueta da mulher, e o desceu à porta novamente.

Começou a caminhar em direção a ela...

Talvez faltasse um pouco de bom senso -- ou até senso comum mesmo -- na pequena garota, mas ela queria ver as coisas mais de perto, sem se importar muito com o resto. Sua vontade de saber sobre o local era superior ao simples ato de esperar e ir em grupo.

-
[Essa casa é mesmo "mal-assombrada"...? Por que então... há uma pessoa lá dentro, nos encarando...? Estamos atrapalhando...?]

Caminha em direção à porta sem mais ninguém, sendo bem direta e até meio que acidentalmente abusada mesmo; sua ingenuidade e até um pouco de falta de ética contribuíam para seus atos precipitados.

Andando em passos pequenas, meio lentos mas constantes, Mary se aproximava da entrada, mais e mais... com as bochechas agora coradinhas em relação ao corpo por conta do frio, que parecia aumentar a cada passo que dava, Mary tenta esquentar as mãos com o próprio ar quente e esfregando as mãos um pouco.

A garota era acostumada com as épocas de frio, mas não podia abusar; ajeitava o capuz um pouco a fim e ver se ajudava no aqeucimento. Seus grandes olhos focados na porta à frente, enquanto ainda se aproximava dela.
avatar
Zetbrake

Mensagens : 203
Data de inscrição : 18/03/2012
Idade : 25
Localização : Em seus sonhos... transformando-os em pesadelos...

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Convidad em Qua Maio 16, 2012 3:21 pm

    Sara ainda esperava a respostas dos outros que estavam ali quando viu Mary chegando, sorrindo e acenando para ela, mas sua amiga parecia não ter lhe reconhecido, talvez estivesse entretida demais com a casa. A casa, mais outros dois alunos que Sara conhecia de vista do colégio estavam ali e agora ela tinha certeza que estariam todos em uma encrenca danada.

    "Talvez seja melhor voltar..." - ela pensou olhando para todos à sua volta, sentindo uma sensação ruim embora o lugar não parecesse ter nenhuma aura sobrenatural, ou teria?

    Aquele simples minuto que se distraiu com seus próprios pensamentos fora o suficiente para que Mary se afastasse do grupo e agora Sara via a menina se aproximar cada vez mais da entrada da casa, atravessando a rua e caminhando em direção à porta.

    - Mary! - o grito de Sara tinha um tom de clara aflição e ela esperava sinceramente que Marya tivesse ouvido e parasse sua amrcha até o local. Não era um lugar bom, lendas ou não muitos acontecimentos mistificavam aquele casarão e havia uma frase que sua mãe sempre repetia que fazia Sara acreditar que os rumores dali pudessem mesmo ser verdade: No creo en las brujas, pero que las hay, hay. Além disso, sua própria existência já deixava claro que coisas como aquelas poderiam não ser meras lendas.

    Além disso, Sara sentia-se nervosa com a possibilidade de que alguma coisa pudesse acontecer á sua amiga humana e naquele momento foi inevitável que as cenas do ataque que sofrera quando criança lhe viessem a mente.

    Sempre que passava por uma situação de grande tensão as cenas de seu maior fracasso enchiam sua mente, deixando-a pouco à vontade, tornando tudo pior do que era e tirando sua concentração quando tentava utilizar seus poderes.

    Seus poderes. Eles existiam de fato? Lembrou-se então da tentativa vã de atacar Raphael Grifftis e de como aquilo só piorava a situação.

    "Não..." - ela suplicou à sua mente enquanto atravessa a rua sem sequer olhar para os lados, ouvindo então os freios de um carro soar alto, parando a centímetros dela que, no meio de toda a confusão das imagens de sua mente e da imagem de Mary indo até a casa, apenas se encolheu esperando pelo impacto. Sabia que não morreria então seu único instinto fora aquele.

    Demorou alguns segundos para que abrisse os olhos novamente e encarasse o motorista furioso que a encarava de volta, soltando alguns xingamentos em inglês enquanto buzinava para que ela saísse do caminho. Certamente aquilo havia chamado a atenção dos demais, mas ela estava tão atordoada que demorou alguns segundos para dar uns passos cambaleantes até a calçada. Só torcia para que ao menos o incidente chamasse a atenção de Mary e a impedisse de prosseguir rumo ao interior da casa.

    - Mary... - ela sussurrou, a mão pálida segurando uma das grades do portão da casa enquanto ela tentava se recompor do susto de ter quase sido atropelada.

    Ela sequer fazia idéia do que Mary poderia ter visto, sequer fazia idéia do porque agora que estava mais próximo à casa parecia ficar mais frio. Sua mente estava numa luta interna entre se recompor e afastar aquelas memórias negativas para impedir que Mary entrasse ali sozinha.

    Mas se Sara fosse com ela seria capaz de fazer alguma coisa?

    "Eu preciso tentar..." - ela pensou para si própria, caminhando então para dentro do portão entreaberto que Mary deixara e indo em direção à amiga.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Convidad em Sab Maio 19, 2012 10:48 am

Cedric não estava gostando de toda aquela aglomeração na frente da mansão. Será que todos ali tiveram a mesma idéia do que a dele? É, pelo visto sim.

Uma garota muito bonita de cabelos castanhos aproximou-se, simpática, um tímido sorriso estampado sobre os lábios. – Olá. – Cedric cumprimentou. Não sabia quem era a moça, mas diante de sua percepção sabia que ela não era uma humana, porém não sabia identificar o que ela era. – Sim, eu sou aluno da Day Class, me chamo Cedric Valmore, e você? Qual o seu nome?

O loiro girou os orbes azuis e sua expressão mostrou-se emburrecida. – Ah, a casa, claro. Eu vim verificar com meus próprios olhos este local, mas não imaginei que viriam tantas pessoas. – ele ergueu o braço e coçou o topo da cabeça, os fios loiros e reluzentes deslizando sobre os olhos. – Sabe, eu adoro contos de terror, estava muito inspirado, mas ...

Valmore não teve tempo de continuar, ele viu que uma das meninas que estavam ali, uma das menores de cabelos curtinhos estava estática, do outro lado da rua, os olhos fixos na mansão. Cedric girou nos calcanhares e olhou para trás, não havia nada ali. Porém o grito de Sara o despertou, obrigando a acompanhar a movimentação dela, confuso com as atitudes das duas meninas.

Alarmado, ele acompanhou os passos de Sara, não entendo o que ela estava fazendo. Ela atravessou a rua sem olhar para os lados, um carro descia em alta velocidade a estrada, o que fez Cedric correr na direção da garota que estava distraída. Ele correu como pode, aproximando-se de Sara, talvez não desse tempo de salvá-la.

- O que você está fazendo?! – ele gritou, erguendo a mão, tocando levemente sobre o ombro da garota, cerrando os olhos assim que os sons dos pneus cantaram sobre o asfalto, o cheiro de borracha queimada invadindo suas narinas.

Não, ele não estava morto e nem a garota, pois o carro havia conseguido frear a tempo. – Ei-ei!! – ele apoiou a mão sobre o ombro de Sara, atravessando a rua com ela, na direção de Mary. – O que você estava fazendo? Você é maluca? – a expressão de Cedric era de pavor, os olhos azuis mais reluzentes devido à adrenalina de poucos segundos atrás. O motorista ainda berrava alguns xingamentos para a garota, e ele estava correto. Afinal, o que ele estava fazendo?

- Ela é sua amiga? – ele apontou para Mary, afastando de Sara que tentava se recompor, deslizando uma das mãos pelo pescoço, nervoso com o que estava acontecendo. – Vamos tirá-la de lá. – Cedric aproximou-se de Sara, apoiando a mão sobre a mão dela que estava trêmula, amparada sobre as grades do portão. O loiro possuía um dom muito útil em momentos como aquele, ele conseguia manipular os sentimentos, descarregando um pouco de sua energia em Sara. Confortando-a e acalmando seja lá o que estivesse atormentando a menina. – Acalme-se, assim até eu fico alterado. – ele forçou um sorriso, afastando-se dela, se aproximando do portão, dando espaço para que Sara passasse.

- Ei! – Valmore gritou para a menina que estava na frente da porta de entrada, ela parecia tão distraída que era assustador. Cedric caminho de maneira rápida a pequena escadaria que levava a mansão, puxando Mary pelo braço, fazendo-a cambalear levemente para trás. – Ei, sua amiga quase foi atropelada lhe chamando. Escute! – ele encarou a garota, suas bochechas estavam rosadas, e a expressão era distante. Afinal, o que havia acontecido com ela. – Você está bem?

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Ryutai Akira em Qui Maio 24, 2012 3:39 pm

Ryutai não ve nada de mais na foto que tirou da frente da casa, e instigado por sua curiosidade, e possibilidades de uma aventura, e ele logo ignora a presença dos alunos do lugar e adentra o quintal da casa passando pelo portão, Observa bem as portas e janelas da casa vendo se havia alguma possivel abertura para entrar e sair sem danificar o lugar, e logo mais segue aos fundos da casa, analiza o lugar por ali, e se dirige até a porta dos fundos da casa, onde tira de seu bloco de notas dois clip's de prender papel, e os alongando tentaria abrir a fechadura da porta dos fundos enquanto começa a pensar sozinho.

Será que essa casa, é um covl de vampiros ou apenas uma fonte de lendas urbanas? esta tudo tão calmo que nem consigo sentir medo... ~_~ Bom vamos la, abrir essa porta e resolver antes de anoitecer.








Falas--------------


Pensamento -------------

Narratória-------------
avatar
Ryutai Akira

Mensagens : 29
Data de inscrição : 02/04/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por The Storyteller em Seg Jun 11, 2012 8:13 pm

A casa. Todos estavam ali reunidos por uma estranha coincidência ou não do destino e agora não saiam o que fazer ou como agir.
June notou que um dos garotos que estava ali tirava algumas fotos da casa? Será que ele havia captado alguma coisa? Com certeza sim!
Mary também havia visto algo, mas sua mente inocente e confusa não lhe deu ideia de que poderia estar correndo perigo quando ao ver uma pessoa na janela, decidiu se aproximar da casa.
Na tentativa de deter Mary, Sara quase fora atropelada por um carro e isso com certeza deixou todos alarmados, principalmente o gentil Cedric que fora ver se a garota estava bem.
Ryutai ignora os fatos à sua volta e decidi abria porta da casa, que cede sem muito esforço, a fechadura enferrujada praticamente saindo na mão do garoto.
Ele empurra suavemente a porta com seus dedos e então adentra o local.
A casa estava completamente mobiliada e apesar do pó que cobria praticamente tudo, não havia lixo ou sinal de que invasores haviam aproveitado o local para festinhas particulares ou vandalismo.
Ele segue para dentro passando para a sala e deixando para trás o hall de entrada.
Ryutai se aproxima da janela e acena para os outros que estão lá fora, talvez também os chamando- os para dentro para que investiguem com ele.
- Acho que são só lendas urbanas, não sinto nada, aqui é só uma casa velha - ele fala em voz baixa, completando seus pensamentos de segundos atrás.
Afim de deixar um pouco mais de luz entrar no local, ele afastada lateralmente as pesadas cortinas, assim o sol ilumina dentro do recinto e ele tem um a melhor visão da sala e seus móveis.
De costas para a janela, ele observa tudo o que há ali, os sofás, a mesa de centro, uma velha cristaleira e uma estante com livros, além e tapetes e vasilhas pequenas de ração para animal.
Mas algo lhe chama a atenção. Ele franzi os joelhos e apoia as mãos nos joelhos, parte de seu corpo ainda é visível para os que estão fora da casa, olhando a janela.
- Mas o que é...- antes que possa pegar o que quer que tenha visto, um vulto se aproxima por trás de Ryutai e o empurra com força no chão.
O caçador se vira para encarar seu agressor, as costas presas no chão, o corpo tremendo pelo susto, mas ele ainda tem coerência para tentar contra atacar, mas assim que se depara com seu atacante ele congela.
A expressão de pavor, os olhos saltados e um grito, tão alto e agoniado que todos que estavam fora da casa puderam ouvir.
Segundos depois, as cortinas são fechadas novamente e um barulho da porta sendo trancada mais uma vez se faz ouvir.

Notas da missão:
• Estão livre para agir, agora vocês tem a missão e dever extra de resgatar Ryutai, ou tentar descobrir o que houve com ele.
• Prazo de postagem de duas semanas ou de acordo com a interatividade do grupo!
avatar
The Storyteller

Mensagens : 706
Data de inscrição : 16/03/2012

Ver perfil do usuário http://vampireknighttale.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ..:: House of the Widow ::..

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum